LINKS RECENTES
Loading...

TRIBULAÇÃO

ESTUDOS BÍBLICOS

‹‹E esperar dos céus a seu Filho, a quem ressuscitou dentre os mortos, a saber, Jesus, que nos livra da ira futura›› (1Ts 1.10 – ACF)

‹‹Porque Deus não nos destinou para a ira, mas para a aquisição da salvação, por nosso Senhor Jesus Cristo›› (1Ts 5.9 – ACF)

O que é a Tribulação? Como sabemos que a Tribulação terá a duração de sete anos?
A tribulação é um período futuro de 7 anos no qual Deus terminará de disciplinar Israel e finalizará Seu julgamento do mundo incrédulo. A Igreja, composta de todos aqueles que já confiaram na pessoa e obras do Senhor Jesus para salvá-los de serem punidos pelo pecado, não estará presente durante a Tribulação. A Igreja será removida da terra em um acontecimento conhecido como o Arrebatamento (I Tessalonicenses 4:13-18; I Coríntios 15:51-53). A Igreja é salva da ira que está por vir (I Tessalonicenses 5:9).

Através da Escritura, refere-se à Tribulação por outros nomes, tais como:
1) O Dia do Senhor (Isaías 2:12; 13:6, 9; Joel 1:15, 2:1, 11, 31, 3:14; I Tessalonicenses 5:2)
2) Angústia ou tribulação (Deuteronômio 4:30; Sofonias 1:15)
3) Grande Tribulação, que se refere ao período mais intenso, da segunda metade do período de 7 anos(Mateus 24:21)
4) Tempo ou dia da angústia (Daniel 12:1; Sofonias 1:15)
5) O tempo da angústia para Jacó (Jeremias 30:7).

É necessário que se compreenda Daniel 9:24-27 para que se possa entender o propósito e tempo da Tribulação. Esta passagem em Daniel fala das 70 semanas que foram declaradas contra “o teu povo”. O“povo” de Daniel são os judeus, a nação de Israel, e do que Daniel 9:24 fala é um período de tempo que Deus deu “para cessar a transgressão, e para dar fim aos pecados, e para expiar a iniqüidade, e trazer a justiça eterna, e selar a visão e a profecia, e para ungir o Santíssimo.” Deus declara que “70 semanas” cumprirão todas estas coisas. É importante compreender que quando se menciona as “70 semanas”, não se está falando de uma semana como a conhecemos (7 dias). A palavra hebraica “heptad”, traduzida como semana em Daniel 9:24-27, significa literalmente “7” e 70 semanas literalmente significam 70 setes (70 vezes 7). Este período de tempo do qual fala Deus é na verdade 70 “setes” de anos, ou 490 anos. Isto se confirma por outra pa rte desta passagem em Daniel. Nos versos 25 e 26, é dito a Daniel que o Messias será cortado “sete semanas, e sessenta e duas semanas” (um total de 69 semanas)começando com o decreto para reconstruir Jerusalém. Em outras palavras, 69 setes de anos (483 anos)depois do decreto para reconstruir Jerusalém, o Messias será cortado. Historiadores bíblicos confirmam que 483 anos se passaram desde o tempo do decreto para reconstruir Jerusalém até o tempo em que Jesus foi crucificado. A maioria dos estudiosos cristãos, a despeito de suas opiniões sobre escatologia(coisas/eventos futuros), compreendem as 70 semanas de Daniel como exposto acima. Tendo se passado 483 anos desde o decreto para reconstruir Jerusalém até o Messias ser cortado, isto deixa 1 sete (sete anos) a serem cumpridos, como está em Daniel 9:24: “para cessar a transgressão, e para dar fim aos pecados, e para expiar a iniqüidade, e trazer a justiça eterna, e selar a visão e a profecia, e para ungir o Santíssimo.” Este período final de 7 anos é conhecido como o Período da Tribulação: é um tempo no qual Deus termina de julgar Israel por seu pecado.

Daniel 9:27 dá um pouco de luz sobre o período dos 7 anos de Tribulação. Daniel 9:27 diz: “E ele firmará aliança com muitos por uma semana; e na metade da semana fará cessar o sacrifício e a oblação; e sobre a asa das abominações virá o assolador, e isso até à consumação; e o que está determinado será derramado sobre o assolador.” A pessoa da qual fala este verso é a pessoa que Jesus chama de “a abominação da desolação” (Mateus 24:15) e é chamado de besta em Apocalipse 13. Daniel 9:27 diz que a besta firmará aliança (pacto) por 1 semana (7 anos), mas no meio desta semana (depois de passados 3 ½ anos de Tribulação), ele romperá com a aliança, dando fim ao sacrifício e oblação (oferenda, sacrifício). Apocalipse 13 explica que a besta erguerá uma imagem de si mesmo no templo e exigirá que o mundo o adore. Apocalipse 13:5 diz que isto ocorrerá por 42 meses, ou seja, 3 anos e meio. Como Daniel 9:27 diz que isto acontecerá no meio da semana, e Apocalipse 13:5diz que a besta fará isto por um período de 42 meses, é fácil verificar que a total duração é 84 meses ou 7 anos. Veja também Daniel 7:25, onde “um tempo, e tempos, e metade de um tempo” (tempo=1 ano; tempos=2 anos; metade de um tempo= ½ ano; total de 3 ½ anos) também se referem à Grande Tribulação, a última metade do período de 7 anos de Tribulação onde a “abominação da desolação” (a besta) estará no poder. Para referências adicionais a respeito da Tribulação, veja Apocalipse 11:2-3,que fala dos 1260 dias e 42 meses, e Daniel 12:11-12, que fala dos 1290 dias e 1335 dias, todos se referindo à metade da Tribulação. Os dias adicionais em Daniel 12 podem incluir o tempo ao final para o julgamento das nações (Mateus 25:31-46) e o tempo do estabelecimento do reino milenar de Cristo(Apocalipse 20:4-6).
Por Thomas Ice e Timothy Demy

Quase todo mundo já passou por tempos turbulentos e traumáticos, durante os quais experimentou muita incerteza ou talvez até grande dor e tristeza. Estes tempos geralmente são períodos de crise individual, familiar ou mesmo nacional, em que todo recurso pessoal, físico e emocional é utilizado para superar os problemas. Angústia, tristeza, perseguição, tragédia, catástrofe, fome, guerra e incertezas são dinâmicas muito reais no dia-a-dia e nas notícias. Mas, segundo a Bíblia, haverá um tempo futuro de angústia ainda maior conhecido como “Tribulação”. Essa era virá depois do Arrebatamento da Igreja e será o pior período de sofrimento que o mundo já experimentou. Ela será o maior “choque do futuro”. Os especuladores econômicos de Wall Street geralmente são divididos em otimistas e pessimistas(chamados de “touros” e “ursos”), conforme sua “interpretação” dos indicadores e das tendências econômicas. Da mesma forma, intérpretes da Bíblia podem ler suas passagens proféticas e entender grande parte do plano de Deus para o futuro. A diferença é que, através do estudo da profecia com cuidado e oração, a maior parte da especulação pode ser eliminada. Ao contrário dos mercados futuros, o plano de Deus é claro e certo. Acreditar no Arrebatamento implica que os crentes devem ser pessimistas e apáticos? Evidentemente que não! Devemos ser realistas e vigilantes. Somos realistas com relação ao futuro e esperamos a vinda do Senhor Jesus Cristo para Sua Igreja. Mas também reconhecemos que depois do Arrebatamento haverá um tempo de intensa Tribulação mundial. A Bíblia fala mais sobre esses sete anos do que sobre qualquer outro período de tempo profético. Durante esses sete anos, o Anticristo surgirá, haverá perseguição aos novos crentes e ao povo judeu, e a grande batalha de Armagedom e a Segunda Vinda de Cristo acontecerão.

O Novo Testamento nos ensina que a atual era da Igreja também incluirá provações e tribulações. Jesus disse:

‹‹...no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo›› (Jo 16.33 – ACF). O apóstolo Paulo advertiu:

‹‹E também todos os que piamente querem viver em Cristo Jesus padecerão perseguições›› (2Tm 3.12 – ACF).

Mas a perseguição do mundo contra a Igreja nesta era não é a ira de Deus. A tribulação futura será um tempo de castigo de Deus sobre o mundo que rejeitou a Cristo – um tempo do qual a Igreja será livrada como o nosso Senhor prometeu (Apocalipse 3.10;

1 Tessalonicenses 1.10; 5.9).

Os crentes podem viver diariamente com a certeza de que a história humana terminará com Jesus Cristo como o Vencedor.

O futuro é certo. Mas Jesus disse aos Seus discípulos que antes da vitória final ‹‹Porque haverá então grande aflição, como nunca houve desde o princípio do mundo até agora, nem tampouco há de haver›› (Mt 24.21 – ACF).

Na sua intensidade e agonia, essa época será infeliz e indesejável. Mas foi previsto que ela vai acontecer e está descrito como ela será. A Bíblia diz que ela será trágica, mas real.

Qual a relação entre “o tempo da ira de Deus” e a Tribulação?

Já que a Bíblia usa muitos termos para descrever uma variedade de atividades associadas ao julgamento de Deus durante a Tribulação, e já que “Tribulação” e “ira de Deus” às vezes são usadas para referir-se ao mesmo período de tempo (i.e., a Tribulação de sete anos), conclui-se que o tempo da ira de Deus acontece durante a Tribulação.

A base bíblica para essa conclusão pode ser oferecida da seguinte maneira: Deuteronômio 4.30 descreve esse período do fim dos tempos como tempo de tribulação. Sofonias 1.15 chama o mesmo dia “de alvoroço e desolação” (i.e., tribulação) e de “dia da ira”.

‹‹Quando estiverdes em angústia, e todas estas coisas te alcançarem, então nos últimos dias voltarás para o SENHOR teu Deus, e ouvirás a sua voz›› (Dt 4.30 – ACF).

Os autores do Novo Testamento tomam esse termo do Antigo Testamento e usam-no como característica geral do que denominamos de período de sete anos da Tribulação, já que é um tempo em que a ira acumulada de Deus é liberada sobre a história humana e traz retribuição a um mundo que rejeitou a Cristo, mundo que será motivado por Satanás a perseguir crentes e judeus (Romanos 2.5; 5.9; Colossenses 3.6; Apocalipse 14.10,19; 15.1,7; 16.1,19; 19.15).

Por exemplo, Romanos 2.5 diz: ‹‹Mas, segundo a tua dureza e teu coração impenitente, entesouras ira para ti no dia da ira e da manifestação do juízo de Deus - ACF››.

. Portanto, vemos que a Bíblia diz que o que acontece com a humanidade na Tribulação será motivado pela ira de Deus, que está se acumulando durante a atual era da graça.

Qual a relação entre “o tempo de angústia para Jacó” e a Tribulação?

A frase “tempo de angústia para Jacó” vem da profecia encontrada em Jeremias 30.5-7: ‹‹Porque assim diz o SENHOR: Ouvimos uma voz de tremor, de temor mas não de paz. Perguntai, pois, e vede, se um homem pode dar à luz. Por que, pois, vejo a cada homem com as mãos sobre os lombos como a que está dando à luz? e por que se tornaram pálidos todos os rostos? Ah! porque aquele dia é tão grande, que não houve outro semelhante; e é tempo de angústia para Jacó; ele, porém, será salvo dela - ACF››. Nessa passagem o profeta Jeremias fala de um tempo ainda futuro quando grande angústia ou tribulação virá sobre todo o Israel, que é simbolicamente denominado de "Jacó". Esse tempo é a Tribulação futura, ou um evento passado? É melhor interpretar esse tempo de angústia como algo que ainda é futuro para Israel – um tempo conhecido como a septuagésima semana de Daniel ou a Tribulação.

O expositor bíblico e estudioso de profecia Dr. Charles H. Dyer escreve sobre essa passagem e seu significado:

A que "tempo de angústia" Jeremias está se referindo? Alguns acham que ele está indicando a derrota de Judá pela Babilônia ou a derrota posterior da Babilônia pela Medo-Pérsia. Mas, em ambos esses períodos o Reino do Norte, Israel, não foi afetado. Ele já tinha sido levado ao cativeiro (em 722 a.C.).Uma solução melhor é que Jeremias está referindo-se a um período de tribulação futuro quando o remanescente de Israel e Judá sofrerá uma perseguição incomparável (Daniel 9.27; 12.1; Mateus 24.15-22). O período terminará quando Cristo aparecer para resgatar os Seus eleitos (Romanos 11.26)e estabelecer Seu reino (Mateus 24.30-31; 25.31-46; Apocalipse 19.11-21; 20.4-6).

. Portanto, o tempo de angústia para Jacó enfatiza o aspecto da Tribulação futura que expressa a dificuldade pela qual os judeus ou descendentes de Jacó passarão durante esse período.

Por que a Tribulação é Importante?

A Tribulação é importante para os crentes hoje por várias razões. Em primeiro lugar, o estudo da Palavra de Deus é sempre importante, e deve ser feito com cuidado. Independentemente do tipo de passagens estudadas, sejam sobre aliança ou cronologia, poesia, parábola, ou profecia, todas devem ser estudadas e aplicadas diligentemente. ‹‹Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça; Para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente instruído para toda a boa obra›› (2Tm 3.16-17 – ACF).

A Tribulação é importante porque é ensinada na Bíblia.

Em segundo lugar, a Tribulação é importante porque, de certa forma, Satanás é desmascarado e vemos suas verdadeiras intenções e motivações. Essa compreensão do seu plano, se aplicada corretamente, pode ajudar o crente hoje na batalha espiritual.

Por exemplo, vemos que durante a Tribulação, Satanás usa a religião como um caminho falso e enganador. Isso é uma advertência para nós hoje.

Em terceiro lugar, a Tribulação é importante para nós porque grande parte do que vemos hoje e vimos no passado é uma preparação para o que virá. Por exemplo, o impulso atual para a globalização não pode surpreender aqueles que estão cientes do que a Bíblia ensina sobre o futuro. Porque nosso Deus Soberano ordenou anteriormente esses eventos, devemos nos confortar com o fato de que Ele está no controle. Esse tempo futuro de intensa maldade é a manifestação máxima da natureza pecaminosa da humanidade conjugada ao plano rebelde de Satanás. Mas ambos serão levados a julgamento por parte de um Deus justo e onipotente.

Conclusão:

A história humana está cheia de tragédias e desespero pessoal, nacional e internacional. Em cada século, em cada império e em cada era houve manifestações do pecado original, da queda e da atividade satânica. As passagens da profecia bíblica (e outras passagens da Bíblia) ensinam claramente que o futuro trará um período específico de trauma e de tragédia extremos, durante o qual o terror e a tribulação serão intensos e internacionais. Essa era durará sete anos e, depois da batalha de Armagedom, culminará na Segunda Vinda do Senhor Jesus Cristo para estabelecer Seu reino milenar na terra. Nós acreditamos que essa era de Tribulação, cheia de destruição e perseguição, acontecerá depois do Arrebatamento da Igreja. Isto, porém, não isenta os crentes de hoje das suas responsabilidades diárias, do evangelismo, do discipulado e da vida santificada. A tribulação é certa, mas a vitória também é. Com relação à Tribulação, não devemos nos preocupar em como será a vida naqueles dias, mas sim, em como está a nossa vida hoje em dia. ‹‹Portanto, vede prudentemente como andais, não como néscios, mas como sábios, Remindo o tempo; porquanto os dias são maus›› (Ef 5.15-16 – ACF) - Extraído do Livro A Verdade Sobre A Tribulação.

QUAL É A VISÃO DE DEUS SOBRE A TRIBULAÇÃO

O termo “Grande Tribulação” incita o terror dentro dos corações dos homens, e com razão. O retrato de Deus sobre a Tribulação é um período de “sete anos” de terror incomparável que só pode ser descrito como o “inferno na Terra”.

A palavra “Tribulação” é usada na bíblia num sentido técnico e não técnico. Quando é usada “não tecnicamente” ela fala da provação ou sofrimento que o indivíduo enfrenta. Quando usada de “forma técnica” ela se refere ao período de “sete anos” que se seguirá ao Arrebatamento da Igreja.

O PROPÓSITO DA TRIBULAÇÃO

Qual é o propósito da Tribulação? Há vários propósitos. O primeiro: é fazer com que Israel reconheça que “Jesus Cristo” é o “Messias”. (Mt 23.37-39; Ez 20.33-38). O segundo propósito: é “julgar as nações gentias” pela tentativa de exterminar a “nação de Israel” e pelo“abuso dos povos gentios” (Gn 12.3). O terceiro propósito: é permitir que um mundo que rejeita a Cristo possa experimentar pessoalmente a tristeza e o sofrimento criados pelo “império maligno”administrado por “Satanás” o “Anticristo” e o “falso profeta”. O quarto propósito da Tribulação: é derramar à ira de Deus sobre todos os que rejeitaram o evangelho.

O TERROR DA TRIBULAÇÃO

A Tribulação é também chamada de “tempo de angústia para Jacó” (Jr 30.7), “ira” (Is 26.20) e“tempo de angústia” (Dn 12.1). O período total de “sete anos” é chamado de “Tribulação”. Os últimos “três anos e meio” são chamados de “Grande Tribulação” porque a intensidade do sofrimento criado pela ira de Deus se torna insuportável. O profeta Sofonias descreve:

‹‹Aquele dia será um dia de indignação, dia de tribulação e de angústia, dia de alvoroço e de assolação, dia de trevas e de escuridão, dia de nuvens e de densas trevas, Dia de trombeta e de alarido contra as cidades fortificadas e contra as torres altas›› (Sf 1.15-16 – ACF). Em (Mt 24) Jesus dá a sua descrição da Tribulação. Nos vs. 4-8, ele descreve os eventos na “primeira metade” do período e nos vs. 9-14, a “última metade”. Nos vs. 21-22, ele faz uma afirmação de dar calafrios.

‹‹Porque haverá então grande aflição, como nunca houve desde o princípio do mundo até agora, nem tampouco há de haver. E, se aqueles dias não fossem abreviados, nenhuma carne se salvaria; mas por causa dos escolhidos serão abreviados aqueles dias›› (Mt 24.21-22 – ACF). João diz em Apocalipse que chegou “o grande dia da ira deles”

(Ap 6.17). Ele se refere ao “vinho da cólera” e “lagar da cólera de Deus” (Ap 14.10-19). Taças cheias da “cólera de Deus” serão derramadas na terra (Ap 15.7; Ap 16.1).

Ninguém escapará da cólera de Deus na Tribulação. O sofrimento será tão intenso que “E os reis da terra, e os grandes, e os ricos, e os tribunos, e os poderosos, e todo o servo, e todo o livre, se esconderam nas cavernas e nas rochas das montanhas; E diziam aos montes e aos rochedos: Caí sobre nós, e escondei-nos do rosto daquele que está assentado sobre o trono, e da ira do Cordeiro; Porque é vindo o grande dia da sua ira; e quem poderá subsistir?” (Ap 6.15-17 - ACF)

“Porque haverá então grande aflição, como nunca houve desde o princípio do mundo até agora, nem tampouco há de haver. E, se aqueles dias não fossem abreviados, nenhuma carne se salvaria; mas por causa dos escolhidos serão abreviados aqueles dias” (Mt 24.21-22 - ACF)

OS CRISTÃOS PASSARÃO PELA TRIBULAÇÃO?

Conforme nos aproximamos do final da dispensação da graça, não há pergunta profética mais vigorosamente debatida do que a pergunta: “Os cristãos passarão pela Tribulação?”.

QUATRO PONTOS DE VISTA

Há quatro pontos de vista principais: a posição “pós-tribulacionista” afirma que a Igreja passará por toda a Tribulação.

A posição “Semi-tribulacionista” diz que a Igreja passará pela primeira metade da Tribulação. A posição ‹‹pré-tribulacionista›› afirma que a Igreja não passará por nenhum momento da Tribulação. E, finalmente, a “posição do arrebatamento parcial” crê que os santificados serão levados antes da Tribulação e que o restante da Igreja passará pelo julgamento. Analisemos, agora, a posição ‹‹pré-tribulacionista›› que creio seja biblicamente correta. 

COBERTOS PELO SANGUE

Primeiro de tudo, a própria natureza da Tribulação impede que a Igreja passe por qualquer fase dela. ATribulação é uma época de ira, julgamento, indignação, trevas, destruição e morte. Paulo escreve: ‹‹ Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus...›› (Rm 8.1 – ACF). A Igreja foi purificada pelo “sangue de Jesus” e não necessita de outra purificação. Alguns questionam: Os cristãos não precisam ser purificados? A resposta é sim, mas eles são purificados através da confissão do pecado e através do “sangue de Jesus Cristo” não através do sofrimento pessoal.

‹‹ Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça›› (1Jo 1.9 – ACF)

O SAL DERROTA SATANÁS

Outra razão para eu crer que a posição ‹‹pré-tribulacionista›› é biblicamente correta é o que ensinaPaulo em (2Ts 2). Os crentes de “Tessalônica” estavam experimentando grande perseguição e queriam saber se a perseguição pela qual passavam era parte da Tribulação e se Paulo estava correto quando lhes disse em sua “primeira epístola” que os cristãos não passariam pela Tribulação. Paulo lhes diz: ‹‹Que não vos movais facilmente do vosso entendimento, nem vos perturbeis, quer por espírito, quer por palavra, quer por epístola, como de nós, como se o dia de Cristo estivesse já perto›› (2Ts 2.2 – ACF).

Paulo diz que não estão na Tribulação. Ele escreve: ‹‹Ninguém de maneira alguma vos engane; porque não será assim sem que antes venha a apostasia, e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição - ACF›› (v. 3)

O “homem da iniqüidade” é o “Anticristo” que virá das nações representados pelo ‹‹o governo mundial ou os 10 reis que representam o poder político-econômico-militar mundial››, alguns eruditos acreditam ser o ‹‹Mercado Comum Europeu – Estados confederados da Europa›› a forma final de poder mundial gentílico.

O Anticristo não apareceu, ‹‹ Porque já o mistério da injustiça opera; somente há um que agora resiste até que do meio seja tirado›› (2Ts 2.7 – ACF). Quem está detendo Satanás de apresentar o Anticristo ao mundo como Deus?

“É A Igreja” o “sal da terra” que derrota a corrupção e o “ESPÍRITO SANTO”. Quando o Senhor Jesus aparecer nas nuvens do céu para tirar a Igreja da Terra, Deus não mais deterá Satanás e pode dessa forma cumprir seu propósito de dominar o mundo. Mas não antes que a Igreja seja arrebatada da terra.

A IGREJA QUE REINA

Outra razão pela qual creio que a posição ‹‹pré-tribulacionista›› é biblicamente correta é (Ap 4.4)João escreve:

‹‹E ao redor do trono havia vinte e quatro tronos; e vi assentados sobre os tronos vinte e quatro anciãos vestidos de vestes brancas; e tinham sobre suas cabeças coroas de ouro›› (Ap 4.4 – ACF).

Note que esses anciões estão assentados, vestidos e coroados. Isso é claramente o ‹‹símbolo da Igreja››. Em (Ef 2.6) lemos que Deus ‹‹nos fez assentar nos lugares celestiais, em Cristo Jesus - ACF››. Em (Ap 19.8) lemos: ‹‹E foi-lhe dado que se vestisse de linho fino, puro e resplandecente; porque o linho fino são as justiças dos santos - ACF››.

Lemos também em 2Tm 4.8: ‹‹ Desde agora, a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amarem a sua vinda - ACF››

A pergunta crítica é esta: Quando a Igreja será vista no céu em sua posição glorificada? Será vista no início da Tribulação que João descreve em (Ap 4 e Ap 19). Será vista no céu, assentada, vestida e coroada. Dessa forma, o Arrebatamento precederá a Tribulação.

VINGANÇA PARA OS ÍMPIOS

Outra razão pela qual creio que a ‹‹posição pré-tribulacionista›› é verdadeira é o que Paulo escreveu em (2Ts 1.7-8) que diz:

‹‹E a vós, que sois atribulados, descanso conosco, quando se manifestar o Senhor Jesus desde o céu com os anjos do seu poder, Como labareda de fogo, tomando vingança dos que não conhecem a Deus e dos que não obedecem ao evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo›› (1Ts 1.7-8 – ACF).

A ira de Deus durante a Tribulação será derramada sobre “aqueles que não conhecem a Deus” não sobre a Igreja. Deus salvou a Ló da destruição de Sodoma e Gomorra, porque ele era um homem justo. Sendo ele um homem justo (2Pe 2.7) os anjos lhe disseram: ‹‹...disse: Escapa-te por tua vida; não olhes para trás de ti, e não pares em toda esta campina; escapa lá para o monte, para que não pereças...Apressa-te, escapa-te para ali; porque nada poderei fazer, enquanto não tiveres ali chegado....›› (Gn 19.17-22 – ACF). A presença de um homem justo retardou a ira de Deus. Da mesma maneira, a Igreja terá de ser removida antes que a ira de Deus possa ser derramada sobre a Terra.

‹‹Mas nós, que somos do dia, sejamos sóbrios, vestindo-nos da couraça da fé e do amor, e tendo por capacete a esperança da salvação; Porque Deus não nos destinou para a ira, mas para a aquisição da salvação, por nosso Senhor Jesus Cristo›› (1Ts 5.8-9 – ACF)

PRINCIPAIS ACONTECIMENTOS PROFÉTICOS AINDA NÃO CUMPRIDOS

Por John F. Walvoord

1°. Arrebatamento da Igreja (1Co 15.51-58; 1Ts 4.13-18)

2°. Renascimento do Império Romano, reiniciado pela formação da confederação de dez reinos (Dn 7.7,24; Ap 13.1; Ap 17.3,12,13)

3°. Ascensão do Anticristo, o ditador do Oriente Médio (Dn 7.8; Ap 13.1-8)

4°. Tratado de "sete anos" assinado com Israel, período que antecede a segunda vinda de Cristo, para estabelecer o Milênio. (Dn 9.27; Ap 19.11-16 )

5°. Estabelecimento da Igreja mundial (Ap 17.1-15)

6°. A Rússia lança um ataque surpresa contra Israel, "quatro anos" antes da segunda vinda de Cristo (Ez 38 e 39)

7°. O tratado de paz com Israel é rompido, depois de "três anos e meio" começo do governo mundial, por meio de um sistema econômico e religioso unificados, nos últimos "três anos e meio" que antecedem a segunda vinda de Cristo (Dn 7.23; Ap 13.5-8,15-17; Ap 17.16-17)

8°. Muitos cristãos e judeus convertidos depois do Arrebatamento dos salvos das igrejas são martirizados, por se recusarem a adorar o ditador mundial (Ap 7.9-17; Ap 13.15)

9°. Juízos divinos catastróficos representados pelos selos, trombetas e taças são derramados sobre a terra(Ap 6 a 18)

10°. Irrompe um conflito militar mundial centrado no Oriente Médio "batalha do Armagedom" (Dn 11.40-45; Ap 9.13-21; Ap 16.12-16)

11°. Babilônia é destruída (Ap 18)

12°. Segunda vinda de Cristo para estabelecer o Milênio (Mt 24.27-31; Ap 19.11-21)

13°. Julgamento dos judeus e gentios ímpios (Ez 20.33-38; Mt 25.31-46; Jd 14,15; Ap 19.15-21; Ap 20.1-4)

14°. Satanás é amarrado por "1000 anos" (Ap 20.1-3)

15°. Ressurreição dos "santos da Grande Tribulação" (Dn 12.2; Ap 20.4)

16°. Começa o reino milenar (Ap 20.5-6)

17°. Rebelião final, ao término do Milênio (Ap 20.7-10)

18°. Ressurreição dos ímpios e juízo final diante do "trono branco" (Ap 20.11-15)

19°. Começa a eternidade "novo Céu, nova Terra, Nova Jerusalém" (Ap 21.1-2)

‹‹Como guardaste a palavra da minha paciência, também eu te guardarei da hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo, para tentar os que habitam na terra›› (Ap 3.10 – ACF)
(solascripturatt)

0 comentários: