CORONAVÍRUS CRIOU UMA BRECHA ENTRE EUA E CHINA

- NOTÍCIAS

Coronavírus criou uma brecha entre EUA e China que pode levar uma geração para sarar.
O novo coronavírus destruiu vidas e meios de subsistência nos Estados Unidos e na China. Mas, em vez de unir as duas nações para combater a pandemia, enviou suas relações já tensas a uma rápida espiral descendente - e atiçou as chamas de uma tensão potencialmente perigosa do nacionalismo.
A China foi criticada no país e no exterior por seu manuseio do vírus, especialmente durante o surto inicial. Afastando essas críticas com retórica cada vez mais acirrada, Pequim diz que está apenas "respondendo" a falsas acusações, principalmente dos EUA.
Em março, quando a pandemia se espalhou pelo mundo, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, promoveu publicamente uma teoria infundada da conspiração de que o vírus poderia ter sido trazido para a China pelos militares dos EUA. Poucos dias depois, o presidente dos EUA, Donald Trump, chamou o coronavírus de "vírus chinês", atribuindo a culpa à China quando o surto começou a ocorrer nas principais cidades americanas.
Trump abandonou o mandato uma semana depois - mas o dedo apontando não parou por aí.
Nas últimas semanas, o governo Trump atacou repetidamente a China por lidar com o surto, questionando seu número de mortes e criticando sua resposta precoce ao vírus. Na semana passada, Trump e o secretário de Estado Mike Pompeo alegaram - sem fornecer evidências - que o vírus se originou de um laboratório chinês. Pequim reagiu, apelidando a alegação de tática de reeleição com o objetivo de aumentar a posição de Trump entre os eleitores republicanos - enquanto a mídia controlada pelo governo da China atacou Pompeo com linguagem invulgarmente cruel, chamando-o de "mal", "louco" e "inimigo da humanidade". . "
Mas a acrimônia é mais profunda do que uma mera guerra de palavras. O governo Trump está elaborando planos para punir a China pela pandemia - as opções de retaliação incluem sanções, cancelamento de obrigações de dívida dos EUA e elaboração de novas políticas comerciais. Trump e vários funcionários do governo também estão recrutando aliados estrangeiros para se juntarem à campanha de pressão contra a China.

"PONTO MAIS BAIXO" EM DÉCADAS

A dramática deterioração das relações ocorre logo após uma guerra comercial de dois anos entre as duas maiores economias do mundo - uma guerra comercial que já havia levado as tensões a novos patamares e estimulado a dissociação.
No entanto, embora a abordagem de Trump à China não seja necessariamente nova, a situação que ele enfrenta agora é "muito mais dramática e perigosa", disse David Zweig, professor emérito da Universidade de Ciência e Tecnologia de Hong Kong e diretor da Transnational China Consulting Limited.
"As apostas são muito maiores", disse Zweig. "Em 2016, eram empregos das pessoas. Em 2020, são as vidas das pessoas."
Detectado pela primeira vez na cidade de Wuhan, no centro da China, em dezembro passado, o coronavírus se espalhou para além das fronteiras do país, infectando 3,9 milhões de pessoas e matando pelo menos 276.000 em todo o mundo.
Os EUA relataram seu primeiro caso de coronavírus em janeiro - um homem que havia retornado ao estado de Washington de Wuhan dias antes. Inicialmente, a situação parecia controlada, com uma morte e 22 casos registrados em todo o país até o final de fevereiro. Mas o número de novas infecções explodiu em março, e os EUA agora respondem por mais de um quarto das mortes relatadas em todo o mundo.
O governo chinês está questionando as origens da pandemia, alegando que os primeiros casos podem não ter ocorrido em Wuhan.
Shi Yinhong, consultor do governo chinês e professor de relações internacionais da Universidade Renmin da China, disse que as relações EUA-China agora "atingiram o ponto mais baixo desde 1972", quando o ex-presidente dos EUA Richard Nixon fez sua histórica visita a Pequim para normalizar as relações bilaterais. com a China, que durante anos esteve diplomaticamente isolada do Ocidente.
A avaliação de Shi é especialmente sombria quando se leva em consideração o número de grandes crises que os dois países enfrentaram nas décadas seguintes: a repressão mortal da Praça da Paz Celestial da China em 1989, o bombardeio americano da embaixada chinesa em Belgrado em 1999, a colisão no ar de um avião espião dos EUA e um caça chinês perto da ilha de Hainan em 2001 e a crise financeira de 2008.
"Desde o início de 2018, as relações China-EUA já entraram em um estado de concorrência e rivalidade abrangentes. Desde a pandemia, no entanto, as relações sofreram um grande golpe", disse Shi.
A rivalidade e o antagonismo entre os dois países agora se estendem ao comércio, tecnologia, geopolítica e ideologia política, e sinais de dissociação também estão se expandindo sob a pandemia, à medida que medidas de bloqueio atrapalham voos, viagens internacionais e cadeias globais de suprimentos, disse Shi.

NACIONALISMO CRESCENTE

À medida que os laços bilaterais despencam durante a pandemia, a opinião pública dos EUA sobre a China também atingiu um novo patamar. Uma pesquisa recente do Pew constatou que 66% dos americanos mantinham uma visão desfavorável da China, a maior porcentagem registrada desde o início da pesquisa anual em 2005. Apenas cerca de um quarto dos EUA relatam uma atitude favorável em relação à China.
Da mesma forma, na China, o nacionalismo e o sentimento anti-estrangeiro estão em alta. Apoiados pela mídia e autoridades do estado, há também um sentimento crescente de amargura pelo fato de o povo chinês, especialmente o povo de Wuhan, ter feito enormes sacrifícios para conter o vírus e ter sofrido grandes perdas, mas seu país ainda está sendo criticado por não fazer o suficiente - - e responsabilizar-se pela resposta inadequada de outros governos ao lidar com a pandemia.
"É muito claro que, quando há hostilidade externa em relação à China, o povo tende a se tornar mais nacionalista. E o Partido (Comunista Chinês) joga nisso", disse Zweig.
"As pessoas acham que a etnia chinesa está sob ataque. Elas ficam muito na defensiva. E torna muito difícil que vozes mais racionais se manifestem".
O crescimento econômico e o nacionalismo foram durante décadas as duas fontes da legitimidade política do Partido Comunista Chinês. A economia do país sofreu um grande golpe com o surto de coronavírus, contraindo 6,8% no primeiro trimestre deste ano - a pior queda desde que os registros trimestrais começaram em 1992. E com o crescimento econômico mais difícil de sustentar do que nunca, o partido provavelmente recorra ainda mais ao nacionalismo para consolidar seu poder.
À medida que o número de novas infecções diminuiu na China e aumentou no exterior, a mídia estatal elogiou o sucesso da China em derrotar o vírus, destacando as falhas de outros governos em conter sua propagação - principalmente nos Estados Unidos.
Em 30 de abril, a agência de notícias estatal chinesa Xinhua postou um vídeo animado com figuras do tipo Lego que zombavam da resposta dos EUA à pandemia. Foi visto 2 milhões de vezes no Twitter.
"Apesar de alguns erros nos primeiros dias de Wuhan, o povo chinês está altamente satisfeito com as ações gerais. A incompetência dos EUA (governo) é como um espelho, refletindo a confiabilidade dos chineses (governo)", disse Hu Xijin, editor- chefe do tabloide nacionalista estatal do Global Times, em um Tweet na quinta-feira.
Em um comentário no final do mês passado, a emissora estatal CCTV saudou o sistema político da China como sua "maior vantagem" na superação do surto. "A firme liderança do Partido Comunista Chinês é a razão mais importante para a China derrotar a epidemia", afirmou.
Na semana passada, o presidente chinês Xi Jinping fez um discurso para a juventude do país comemorando o 101º aniversário do Movimento de Quatro de Maio, um movimento político liderado por estudantes, desencadeado por protestos furiosos contra o fracasso do governo em impedir a agressão estrangeira e defender os interesses da China. Mais tarde, tornou-se um apelo mais amplo à modernidade, democracia e ciência.
Em seu discurso, Xi elogiou os jovens por sua participação na luta contra o surto de coronavírus e pediu que eles "trabalhem duro para a realização do sonho chinês de rejuvenescimento nacional", informou a emissora estatal CCTV.
Sob a visão de Xi do "sonho chinês" e da pressão pelo "rejuvenescimento nacional", Pequim se tornou cada vez mais assertiva em sua política externa, ansiosa para projetar sua influência no mundo e defender firmemente seus interesses nacionais "centrais", incluindo disputas territoriais disputadas. . Essa abordagem já atraiu críticas no país e no exterior por alienar os EUA e outros membros da comunidade internacional.

REAÇÃO INTERNACIONAL

Sob a pandemia, Pequim encontra-se no meio de uma reação global crescente que se estende muito além dos EUA.
Fora da China, crescem as críticas ao lidar com o surto e aumenta a pressão para que uma investigação internacional independente analise suas origens. Também há pedidos de compensação econômica da China pelos danos causados. Na Europa, a China foi acusada de espalhar desinformação. E na África, Pequim enfrentou uma crise diplomática depois que relatos de suposta discriminação relacionada ao coronavírus contra cidadãos africanos na China provocaram raiva em todo o continente.
Shi, o assessor do governo chinês, disse que algumas potências ocidentais se alinharam com os EUA ao culpar a China por supostamente ter manipulado mal o surto - e isso é um sério problema de relações externas para Pequim.
"Do ponto de vista da China, isso está intimamente relacionado ao prestígio do regime chinês e à potencial estabilidade", disse ele.
Além da mídia estatal, a China tentou defender sua imagem por meio de enviados diplomáticos. Conhecida como diplomacia "guerreiro lobo", faz referência a uma popular série de filmes de ação chinesa na qual as forças armadas do país promovem operações ousadas em todo o mundo. No entanto, o tom cada vez mais combativo de alguns diplomatas chineses alimentou tensões e provocou críticas.
A China também enviou máscaras, kits de testes e outros suprimentos e especialistas médicos para países afetados pela pandemia - e mesmo assim, os críticos questionaram os motivos da chamada "diplomacia das máscaras" de Pequim.
"Mesmo depois que a pandemia tiver passado, esses problemas permanecerão. Eles podem estar menos carregados emocionalmente até então, mas estarão lá do mesmo jeito", disse Shi.
"A memória (da pandemia e sua devastação) é tão profunda que eu tenho medo (as cicatrizes) permanecerão nos corações de toda uma geração".
Fonte: News18

0 comentários: